segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Sonho de uma noite quente de Verão

Passo a mão no meio dos teus cabelos longos
Escuros como o céu da noite.
Os teus olhos viram-se para as estrelas
E os teus lábios saboreiam a doce vida.

Beijo-te com os meus lábios,
Dando mel aos teus, para saboreares
O mai doce que tem a vida.

Desço um pouco mais, os teus lábios
Desfrutam do âmbar que te prometi.
A tua pele suave sabe á mais fresca das frutas
E o seu sumo é o que eu desejo, para matar a minha sede.

Acaricio com as minhas mãos os teus mais belos tesouros.
Duas montanhas criadas por Vénus
E no meio, um vale grandioso, onde perco o meu olhar.

Com suaves passagens, pressinto o desafio que investes em mim.
No centro do corpo, os devaneios aumentam e as ternuras enlouquecem.

Discreto e sublime, passo suavemente para sentir o seu calor que
Alimenta-se dos nossos pensamentos.
Beijo-te uma vez mais, enquanto pedes para continuar a desafiar a loucura.

Com a minha mão firme e meiga como uma pena, abro o presente para
depositar o nosso amor, sob a forma de palavras e pensamentos.

Contemplo tão bela paisagem enquanto ternuras de mel se criam.
Os aromas emanam a minha face, mas, acolhem-me para entregar o meu
amor.

Saboreio o seu vinho, enquanto abro portas para o seu total deleite.
Beijos e ternuras quentes como lava de um vulcão.
Pedes-me para continuar a desafiar os seus impulsos.
Faço-o até ambo ficar embriagados.

As tuas mãos pedem-me que suba até ás montanhas e que forneça
todo o amor que ainda tenha.

A loucura desafia a mente que inundada de sensações pede para aquele
momento continue indefinidamente.

Devolvo-lhe a vida entre caricias e beijos que devolvem a calma, como
uma brisa suave e quente de Verão.

Junto olhamos os nossos olhos e um do outro e contemplamos a magia
Do nosso amor.

Passa uma bela brisa quente de Verão por cima dos nossos corpos.

E quando adormecemos, as estrelas brilham ao ver a luz do nosso amor
Num sonho de uma noite quente de Verão.