segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Solidão

És a minha dama de companhia 


O meu sustento, o meu destino.


Entraste na minha vida, para de lá não saires.


- Aceito a tua proposta - Disse
Como não recusar, pensei ...


És o meu destino, por isso, acarinho-te.


Cedo aos teus caprichos, levo-me pelas tuas fantasias
Pelos teus mistérios.
Acabas comigo como se uma droga fosse.


Precisas de mim e eu de ti.


Olho para ti, com estes olhos e digo: Amo-te
E tu ficas calada e intacta.
Observas-me e a melhor parte começa.
Olho para ti, beijo-te e morro.


Foi uma proposta irrecusável.
Cedi aos teus caprichos.
Aceitei-te e cumpri a minha parte.
Amar-te e envenenares-me.


Foi isso que aceitei.


Gostei de ti e tu gostaste de mim.


Vejo-te pela última vez.


E agora caminho em sentido incerto, apenas com uma recordação:


Vivi para morrer


Caminho e caio para o esquecimento ...